World of Warcraft | Cinemática final da Campanha de Guerra de 'Battle for Azeroth' (em português) - Multiversos
Siga-nos nas redes sociais

Consoles | PC

World of Warcraft | Cinemática final da Campanha de Guerra de ‘Battle for Azeroth’ (em português)

O site WoWHead publicou a cinemática final da Campanha de Guerra da expansão atual de World of Warcraft, Battle for Azeroth.

Rafa-el Lima

Publicado há

em

O site WoWHead publicou a cinemática final da Campanha de Guerra da expansão atual de World of Warcraft, Battle for Azeroth.

No vídeo vemos a chegada das tropas da Aliança, soba liderança do rei Anduin Wryn, e das tropas rebeldes da Horda, soba liderança de Varok Saurfang, aos portões de Orgrimmar, capital da Horda. Confira o vídeo ACIMA, já em português.

O vídeo acima é consequência direta do que aconteceu AQUI, AQUI e AQUI também.

EDIT.2:

Depois de algum tempo que o WoWHead colocou o vídeo em inglês, apareceram no YouTube videos em português da cinemática e de cenas ingame. Estamos substituindo os vídeos em inglês pelos em português a medida que achamos.

Incluímos aqui o momento prévio a cinemática, em português:

EDIT.1:

O WoWHead também lançou a cinemática ingame do funeral de Varok Saurfang. Segue abaixo (em inglês):

Para participar de tudo que acontece em Azeroth:

 

Consoles | PC

Shadowlands: Pós-Vidas – Revendreth | Vídeo apresenta as consequências da escassez de ânima

Confira como estão as almas dos que habitam Revendreth no novo vídeo da série Pós-Vidas de ‘World of Warcraft: Shadowlands’.

Rafa-el Lima

Publicado há

em

world-of-warcraft-shadowlands-pos-vidas-revendreth

A escassez de recursos nas Shadowlands leva o regente de Revendreth a tomar medidas de contenção no seu reino.

Sir Denathrius, Mestre de Revendreth, se dirige aos seus súditos para garantir que, a despeito da seca misteriosa que os atormenta, ele agiu para assegurar a prosperidade do reino. Porém, a fé que é depositada nele deve permanecer absoluta.

++Leia Mais:
– Shadowlands: Pós-Vidas – Bastião | Primeiro vídeo da série traz Uther, o Arauto da Luz
– Shadowlands: Pós-Vidas – Maldraxxus | Segundo vídeo da série apresenta Draka
– Shadowlands: Pós-vidas – Ardena | Vídeo apresenta o destino de Ursoc

Confira o vídeo ACIMA, no início da publicação.


Acompanhe nossas redes sociais:
Facebook | Instagram | YouTube | Twitter



Continue lendo

Consoles | PC

Shadowlands: Pós-vidas – Ardena | Vídeo apresenta o destino de Ursoc

Confira o destino final de Ursoc, o Guardião Ancião, no reino de Ardena. Conheça também Ara’lon no novo vídeo de Shadowlands: Pós-vidas.

Rafa-el Lima

Publicado há

em

O novo vídeo da série Shadowlands: Pós-vidas mostra o Deus Selvagem e Guardião, Ursoc.

Nas florestas de Ardena, os guardiões zelam por seus bosques, cuidando dos Espíritos da Natureza à espera do renascimento. O guardião Ara’lon luta para proteger um bosque agonizante em tempos de estiagem, mas uma escolha terrível o aguarda.

História

Ursoc e Ursol são patronos daqueles que favorecem o equilíbrio da natureza e dos animais selvagens. Entre seus seguidores mais leais, os furbolgs praticam seus respectivos costumes; aqueles que seguem Ursol se tornam xamãs, enquanto os outros que seguem Ursoc se tornam caçadores ou guerreiros e esculpem estátuas e estruturas de madeira. Timbermaw Hold no norte de Felwood é um exemplo, já que a entrada da fortaleza é uma madeira gigante esculpida na forma de uma cabeça de urso rosnando – em homenagem aos ursos gêmeos. O grupo conhecido como Druidas da Garra também reverencia Ursoc.

++Leia Mais:
– Shadowlands: Pós-Vidas – Maldraxxus | Segundo vídeo da série apresenta Draka
– Shadowlands: Pós-Vidas – Bastião | Primeiro vídeo da série traz Uther, o Arauto da Luz

O Passado

Muitos milênios atrás, dois filhotes de urso curiosos percorriam a área ao redor das Colinas Grizzly juntos. Esses irmãos, chamados Ursoc e Ursol, tinham mais curiosidade do que bom senso e frequentemente se viam invadindo os domínios de predadores maiores. O perigo não os desencorajava e um nunca deixava o outro para trás, mesmo quando as circunstâncias pareciam terríveis. Eles chamaram a atenção da Guardiã Freya, que estava viajando por Azeroth em busca de animais selvagens excepcionais. Freya reconheceu o potencial dos dois e viu o que eles se tornariam. Quando amadureceram, ficavam mais fortes e maiores do que quaisquer outros ursos nas Colinas Grizzly, e não sofreram os danos do envelhecimento. Ursoc e Ursol ficaram conhecidos como Deuses Selvagens.

Ursoc

O Deus Selvagem, Ursoc

Ursoc tinha um forte traço protetor. Quanto mais ele via os confins de Azeroth, mais sentia que era seu dever preservá-los. Para ele e outros Deuses Selvagens, que eram guardiões de seus domínios, Freya criou armas exclusivas, artefatos que podiam se tornar fortes quanto seu portador os tornasse. Seu verdadeiro potencial só poderia ser desbloqueado com prática, nutrição e autoaperfeiçoamento. Alguns Deuses Selvagens não entenderam os dons de Freya e negligenciaram suas armas; Ursoc não era um deles. Freya presenteou-o com as Garras de Ursoc, forjadas em aço titânico e imbuídas com uma pequena porção da essência da própria titã Eonar. Sem intenção de deixá-las definhar e se deteriorar, Ursoc se dedicou a dominar seu poder. Ele treinava incansavelmente, todos os dias viajando longas distâncias e treinando com seu irmão, que havia recebido um cajado que facilitou o uso da magia. As garras de titânio de Ursoc tornaram-se uma extensão de seu próprio corpo e Ursol se tornou um especialista em manipular os fluxos de magia. Juntos, eles se tornaram dois dos Deuses Selvagens mais poderosos que existem e logo se tornariam conhecidos como os mais ferrenhos defensores de Azeroth.

Ursoc uma vez lutou ao lado de uma tauren chamada Eruna Alta-Montanha contra os servos dos Deuses Antigos. Acreditando que uma grande escuridão estava chegando e que o mundo precisava de guerreiros e líderes fortes como ele, Ursoc abençoou a lança de Eruna, Talonclaw, que havia sido anteriormente abençoada por outro Deus Selvagem chamado Ohn’ahra.

Ursoc eventualmente teria um filho, Orsonn, e uma filha, Kodian.

Morte

Durante a Guerra dos Antigos, Ursoc e Ursol foram os primeiros a responder ao chamado de Cenarius para combater a Legião Ardente. Eles entraram em confronto com o guardião da destruição, foram eventualmente oprimidos por felhounds e morreram defendendo a terra.

Quando a luta acabou, um jovem filhote de pelúcia encontrou as Garras de aço titânico de Ursoc. Reconhecendo a quem elas pertenciam, ele as trouxe de volta para sua tribo. Por gerações, esses furbolgs adoraram as garras como o sinal final de seu deus. Poucos furbolgs tiveram a coragem de usar as garras na batalha, e para aqueles que o fizeram, o resultado foi horrível. Ursoc passou anos para descobrir o potencial das Garras; para um mortal destreinado, elas inspiravam uma sede de sangue incontrolável que os levava a atacar amigos e inimigos. Eventualmente, o espírito de Ursoc dentro do Sonho Esmeralda tinha simplesmente visto o suficiente. Os furbolgs não eram capazes de controlar seu poder, então ele o retirou das garras até que alguém digno as reclamasse. Eventualmente, um grupo de Druidas da Garra lutou contra as garras impotentes dos furbolgs e as devolveu ao espírito de Ursoc dentro do Sonho.

++Leia Mais:
– World of Warcraft: Shadowlands | Data de lançamento revelada
– Teoria | Qual o plano de Sylvana Correventos em ‘World of Warcraft’?

Ressuscitando

Os Grizzlemaw furbolgs de Colinas Grizzly tentaram ressuscitar Ursoc usando as magias da falha árvore do mundo, Vordrassil. No entanto, a misteriosa mancha maligna que ainda existe dentro da referida árvore logo começou a sobrepujar os furbolg e Ursoc após a ressurreição, corrompendo a ambos. Depois de ser derrotado e limpo dentro de sua própria caverna por Tur Ragepaw e outros aventureiros, Ursoc os avisa sobre o Deus Antigo Yogg-Saron, que foi o responsável pela queda de Vordrassil.

Legião

O espírito de Ursoc passa a residir no Sonho Esmeralda desde sua segunda morte nas Colinas Grizzly. Um druida aventureiro procura as Garras de Ursoc para usar na batalha contra a Legião Ardente, mas sátiros servindo ao Pesadelo Esmeralda contaminaram o domínio de Ursoc dentro do Sonho em busca das Garras para si. Depois de receber a bênção de seu irmão Ursol, o druida foi capaz obter as Garras de Ursoc. O aventureiro ajudou Ursoc a lutar contra os asseclas do Pesadelo, mas foi tudo uma armadilha armada por Xavius. Quando o Senhor do Pesadelo chegou, Ursoc se gabou de que Xavius não poderia enfrentar um deus, mas Xavius, dizendo que ele foi moldado pelos poderes dos Deuses Antigos, capturou Ursoc mesmo assim.

garras-de-ursoc

As Garras de Ursoc

Um Filho de Ursoc aparece no Sonho Esmeralda para direcionar o Arquidruida para a Essência da Tenacidade de Rokmora, a fim de fornecer energia ao Ídolo do Vento e comungar com Malorne. Quando Malorne fica preso em uma recriação de sua morte nas mãos de Archimonde no Pesadelo Esmeralda, visões de Ursoc e Ursol são vistas lutando contra demônios durante a Guerra dos Antigos.

Ursoc é um chefe no ataque ao Pesadelo Esmeralda, lutado dentro de uma versão de pesadelo das Colinas Grizzly. O véu do pesadelo se ergue antes de ele morrer. Depois que Xavius é morto, o espírito de Ursoc é encontrado dentro do Sonho Esmeralda.

Pós-vida

Você confere no vídeo lá em cima, no inicio da postagem.


Acompanhe nossas redes sociais:
Facebook | Instagram | YouTube | Twitter


Continue lendo

Consoles | PC

Shadowlands: Pós-Vidas – Maldraxxus | Segundo vídeo da série apresenta Draka

Confira a história de Draka, personagem principal do novo vídeo da série Pós-Vidas, de World of Warcraft: Shadowlands.

Rafa-el Lima

Publicado há

em

Confira a história de Draka, personagem principal do novo vídeo da série Pós-Vidas, de World of Warcraft: Shadowlands.

A orquisa Draka era uma guerreira corajosa do clã Lobo do Gelo, companheira de Durotan e mãe de Go’el (mais conhecido como Thrall).

O Nascimento de Uma Guerreira

Quando Draka nasceu, ela era uma orquisa fraca e doente. Não apenas seus companheiros de clã a discriminavam, como também outros clãs diziam que ela era uma desonra para a raça orc. O próprio Mão Negra disse certa vez que se ela tivesse nascido em seu clã teria sido afogada ainda jovem. Draka e sua família foram forçados por Garad a se mudar do centro do acampamento para os arredores da vila do clã Lobo do Gelo.

Quando adolescente, Draka perguntou a Mãe Kashur se havia alguma maneira de fortalecer seu corpo doente. Visitada por uma visão dos ancestrais, Mãe Kashur disse a Draka que havia um caminho, mas que poderia significar sua morte. Kashur enviou Draka em uma caçada para obter uma pena de Windroc, chifre de Talbuk e pele de Clefthoof. A partir dos três ingredientes, Kashur afirmou que ela poderia fazer uma poção para curar a doença de Draka.

Draka partiu em sua aventura sozinha. Ela nunca teve permissão para se juntar a nenhuma caçada orc, e agora tinha que aprender a caçar na prática. Com o passar do tempo, a habilidade de Draka aumentou e, embora ainda fraca, ela derrotou e reivindicou sua primeira morte: um Windroc.

Draka conseguiu também derrotar um talbuk e um clefthoof e obteve todos os ingredientes de que precisava para sua poção. Ela voltou para Kashur, que revelou o verdadeiro significado da caça de Draka: os ingredientes e a poção não eram realmente necessários. A própria caça tinha como objetivo fazer de Draka uma orquisa Lobo do Gelo forte e determinada. No final, agora orgulhosa e bela, Draka se juntou a uma festa, onde foi notada por Durotan e Orgrim.

A Ascensão da Horda

Durotan conheceu Draka na celebração. Ele ficou surpreso ao vê-la e não tinha certeza se ela era dos Lobo do Gelo, mas então ele se lembrou de que ela e seus pais foram exilados da vila dos Lobo do Gelo porque ela estava muito doente. Agora, no entanto, parecia que ela havia superado a doença.

No dia seguinte, Durotan pediu a Draka para se juntar a ele em uma caçada, algo que freqüentemente significava que o orc macho pretendia escolher a parceira de caça como uma companheira. Draka respondeu que era muito jovem para ser companheira de alguém. Durotan então insistiu que seria simplesmente uma caça e nada mais.

Eles então partiram na primeira caçada de Draka, onde Durotan foi ferido por um lobo. No entanto, juntos os dois orcs foram capazes de matar a besta. Draka disse a Durotan que havia atingido a idade adulta naquele dia. Eles então se beijaram, marcando o início de seu relacionamento.

Depois disso, Draka apoiou Durotan e suas decisões ao longo dos anos, embora ela não gostasse da situação em que os orcs se encontravam. Ela apoiou Durotan quando os orcs aceitaram a maldição demoníaca e quando o Portal Negro foi criado. Draka, Durotan e seu clã foram exilados e encontraram suas casas no Vale Alterac.

Antes de deixar Draenor, Draka e Durotan visitaram a mãe de Durotan, Geyah. Draka disse que estava grávida e Durotan acrescentou que a criança se chamaria Go’el.

A Morte

No ano 1, Draka deu à luz Go’el, seu filho com Durotan, pouco antes de se juntar a seu comandante em um encontro secreto com seu velho camarada, Orgrim Martelo do Trovão, em Loch Modan. Lá, Durotan explicou o que sabia sobre Gul’dan, o Conselho das Sombras e a barganha demoníaca, e Orgrim decidiu que era hora de parar o feiticeiro do mal. Ele pediu a Durotan e Draka que se abrigassem no norte até que ele os enviasse. Orgrim mandou então que seus guardas acompanhassem os Lobo do Gelo em sua jornada para casa e os mantivesse seguros. Esse seria um erro que Orgrim lamentaria até o dia de sua morte. Seus guardas não eram leais a ele mas, sim, ao Conselho das Sombras.

Os guardas tinham ouvido cada palavra entre Orgrim e seus comparsas, e decidiram que não precisavam da permissão de Gul’dan para eliminar os Lobo do Gelo – pois, claramente, ele iria querer Durotan, Draka e seu filho mortos. Depois de viajar para o norte por vários dias, os guardas investiram sobre Durotan e Draka. Os Lobo do Gelo lutaram ferozmente contra seus agressores, matando um deles, mas os guardas restantes derrubaram Durotan e Draka, e Go’el foi deixado para morrer no frio glacial.

O Pós-Vida

Isso você confere no vídeo lá em cima, no início da postagem.

++Leia Mais:
– World of Warcraft: Shadowlands | Data de lançamento revelada
– Shadowlands Pós-Vidas: Bastião | Primeiro vídeo da série traz Uther, o Arauto da Luz


Acompanhe nossas redes sociais:
Facebook | Instagram | YouTube | Twitter


Continue lendo

Consoles | PC

Shadowlands: Pós-Vidas – Bastião | Primeiro vídeo da série traz Uther, o Arauto da Luz

Confira o que aconteceu com o paladino da ordem do Punho de Prata, Uther, após a sua prematura morte nas mãos do Lich Rei, em Pós-Vidas: Bastião.

Rafa-el Lima

Publicado há

em

Confira o que aconteceu com o paladino da ordem do Punho de Prata, Uther, após a sua prematura morte nas mãos do Lich Rei.

World of Warcraft: Shadowlands vem seguindo alguns dos passos corretos das expansões anteriores, como a série Warbringers de Battle for Azeroth, e traz uma nova leva de vídeos com as origens de personagens importantes da expansão.

A nova série de vídeos se chama Pós-Vidas, e seu primeiro capítulo, Bastião, apresenta o que aconteceu com um dos personagens mais icônicos da franquia Warcraft: Uther, o Arauto da Luz. O paladino da ordem do Punho de Prata, enfrentou uma morte prematura nas mãos de seu antigo aprendiz, Arthas Merethil, agora mais conhecido com Lich Rei e, neste vídeo, podemos ver o que a morte lhe reservou.

Confira o Pós-Vida de Uther no vídeo lá em CIMA.

++Leia Mais:
– World of Warcraft: Shadowlands | Data de lançamento revelada
– Warbringers: Jaina | Primeiro vídeo da série se mostra uma bela obra de arte


Acompanhe nossas redes sociais:
Facebook | Instagram | YouTube | Twitter


Continue lendo

Consoles | PC

World of Warcraft: Shadowlands | Data de lançamento revelada

A próxima expansão de World of Warcraft, o maior MMORPG do mundo, teve sua data de lançamento finalmente revelada. Shadowlands está chegando!

Rafa-el Lima

Publicado há

em

world-of-warcraft-shadowlands-lançamento-

A próxima expansão de World of Warcraft, Shadowlands, teve sua data de lançamento finalmente revelada.

Shadowlands é a 8ª expansão de World of Warcraft, o mais famoso MMORPG do mundo. Vindo de uma expansão no mínimo controversa, World of Warcraft: Shadowlands tem pela frente o objetivo de atingir o bom patamar de críticas da penúltima expansão, Legion, e superar a atual expansão, Battle for Azeroth.

Depois de enfrentar definitivamente a Legião Ardente em Legion, e iniciar um guerra sem precedentes em Azeroth durante Battle for Azeroth, World of Warcraft levara seu jogadores à explorar o mundo dos mortos, as Terras Sombrias.

Hoje o site oficial de World of Warcraft foi atualizado com a data de lançamento oficial da expansão, e ela chega no Brasil às 20h do dia 26 de outubro de 2020.

++Leia Mais:
– Teoria | Qual o plano de Sylvana Correventos em ‘World of Warcraft’?
– World of Warcraft | Cinemática final da Campanha de Guerra de ‘Battle for Azeroth’ (em português)

Confira lá em CIMA o teaser de lançamento da expansão.

Comece sua jornada na oitava expansão de World of Warcraft comprando Shadowlands na pré-venda agora mesmo! Para saber mais sobre World of Warcraft: Shadowlands, visite o site oficial.


Acompanhe nossas redes sociais:
Facebook | Instagram | YouTube | Twitter


Continue lendo

Consoles | PC

BlizzCon 2019 | Confira os trailers dos principais anúncios do primeiro dia do evento

Rafa-el Lima

Publicado há

em

BlizzCon-2019

A BlizzCon 2019 começou no dia 1º de novembro e já iniciou mostrando que veio realmente querendo se redimir pelo evento do ano anterior, com vários anúncios, novidades e implementações em seus games a partir do feedback da comunidade.

Para iniciar a falar sobre as novidades anunciadas, vamos trazer aqui os principais trailers e gameplays de anúncios do primeiro dia de evento referente aos lançamentos da empresa para o próximo ano. Vamos lá:

DIABLO 4

Trailer de lançamento:

Trailer de gameplay:

World of Warcraft: Shadowlands

Trailer de lançamento:

Apresentação da expansão:

Hearthstone

Trailer cinemático da expansão Despontar dos Dragões:

Trailer de revelação do novo modo de jogo Campos de Batalha de Hearthstone:

Overwatch 2

Trailer cinemático de anúncio:

Vídeo de jogabilidade:

Em breve traremos aqui um apanhado com as principais características e novidades dos jogos anunciados na BlizzCon 2019. Fiquem ligados no Multiversos para maiores novidades.


Acompanhe nossas redes sociais:
Facebook | Instagram | YouTube | Twitter


Continue lendo

Consoles | PC

‘The Last Of Us II’ vem aí!

André

Publicado há

em

Por:

the-last-of-us-2

Game retorna com visual incrível, e história muito mais tensa e sombria.

Para muitos The Last of Us, lançado em 2013, é o melhor game da rica biblioteca do PS3, e um dos melhores já produzidos. De modo que não foi fácil controlar a empolgação dos fãs do game, já que nesta semana a Sony em seu canal no YouTube divulgou no seu State of Play, um trailer de um gameplay editado de The Last of Us II!

Assista o vídeo:

O vídeo, apesar de curto, trouxe um pouco mais de luz acerca do que podemos esperar do game, que aparentemente se apresenta ainda mais violento e visceral que seu antecessor.

A beleza dos cenários deverá ser um dos pontos altos do game.

No primeiro game, a jornada de Joel e Ellie, apesar da sua motivação, aos poucos se torna algo muito contido no crescimento da relação entre os dois personagens, sendo ambos muito importante um para o outro, de alguma forma. Tudo isso a medida que lidam com a crueldade de um mundo onde a humanidade perdeu qualquer noção de moralidade ou de fraternidade, onde até nossos personagens fazem escolhas moralmente questionáveis em face do cenário em que vivem.

O segundo jogo, que se passa cinco anos depois dos eventos da primeira parte, deve seguir na mesma linha. Contudo, a jornada desta vez é muito mais sombria, cruel e violenta, motivada pelo desejo de vingança de Ellie.

Pelo vídeo foi possível perceber a beleza dos gráficos (assim como o primeiro que levou a capacidade gráfica do PS3 ao limite, entregando um jogo lindíssimo), além da variação dos cenários ainda maior que o jogo anterior, e violência, muita violência, algo recorrente em todos os cenários que abordam futuros pós-apocalípticos. E, claro, o perigo de um mundo recheado de Infectados em seus vários e perigosos estágios estará de volta, trazendo novos inimigos e um cenário ainda mais perigoso.

O vídeo também trouxe duas ótimas novidades. A primeira foi a confirmação de que Joel está vivo e, mesmo considerando que Ellie deve ser a protagonista, é correto presumir que o personagem será importante para  a trama.

Joel está de volta.

A segunda novidade é, nada mais, nada menos, que a data de lançamento: o game chega em 21.02.2020! Fica a expectativa de que o jogo mantenha os dubladores brasileiros originais, com Luiz Carlos Persy, como Joel, e Luiza Caspary, como Ellie.

Fique ligado no Multiversos, vamos trazer todas as novidades do game até a sua data de lançamento.

The Last of Us II é produzido pela Naughty Dog e é exclusivo de PlayStation 4.

Continue lendo

Consoles | PC

Teoria | Qual o plano de Sylvana Correventos em ‘World of Warcraft’?

Rafa-el Lima

Publicado há

em

Qual-o-plano-da-Sylvanas-em-World-of-Warcraft

Então, Sylvana Correventos assumiu o seu papel de “Garrosh 2.0” em World of Warcraft quando tomou as atitudes mostradas na mais recente cinemática em que enfrenta Varok Saurfang, não é? Mas, será que é isso mesmo?

Desde que Vol’jin, falecido Chefe Guerreiro da Horda, escolheu Sylvana como a próxima Chefe Guerreira os ânimos mudaram e as teorias dos fãs da franquia Warcraft começaram a surgir em todos os locais. Com o decorrer das duas expansões sob a tutela da nova Chefe Guerreira, cada vez mais as dúvidas sobre a lealdade e fidelidade da Rainha Banshee para com a Horda foi sendo colocada à prova, mesmo esta tendo sido “escolhida pelos Loas” para assumir a liderança do grupo.

Para tentar tecer um norte nos atos de Sylvana Correventos, vamos fazer aqui um pequeno apanhado da sua origem e história recente para embasar a teoria que pretendemos apresentar. Vem com a gente! 😉

De patrulheira a Rainha

Conforme é conhecido por muitos e explicado no site do próprio WoW:

Sylvana já foi a general-patrulheira de Luaprata, uma comandante encarregada de defender o reino dos elfos de Quel’thalas. Sua habilidade de liderança foi posta à prova quando o Lich Rei e seu Flagelo de mortos-vivos atacaram a nação. Apesar de lutar bravamente, Sylvana foi abatida pelos invasores profanos. Arthas Menethil, o cavaleiro da morte do Flagelo, arrancou a alma da general-patrulheira e a transformou em uma banshee, um fantasma vingativo forçado a servir o Lich Rei.”

Após sua morte e transformação em Banshee, Sylvana, mesmo escravizada pelo Lich Rei, Arthas, nutriu um sentimento de vingança e começou a colocar em prática um plano para tal fim. O Lich Rei, após sobreviver a algumas emboscadas, da qual Sylvana participou, acabou sendo derrotado pela união das forças da Horda e Aliança em uma batalha no seu trono na Cidadela da Coroa de Gelo. A vingança de Sylvana foi atingida. Sua não-vida poderia ter um fim. Assim, a Banshee se suicida, conforme descrito neste conto oficial. Esta foi sua segunda morte.

Tendo sido trazida de volta à não-vida através do sacrifício de Annhylde, uma das nove Val’kyren do Flagelo do Lich Rei, antigas servas que agora estavam livres do domínio de seu mestre, Sylvana assume o papel de líder dos mortos-vivos que também se libertaram do controle mental o do comandante do flagelo, passando a ser a Rainha Banshee deste povo. Ao seu exército de mortos-vivos ela deu o nome de Renegados e, para zelar por estes, ela faz uma aliança com a Horda, levando suas tropas às fileiras lideradas pelo Chefe Guerreiro Thrall.

Tipos de Val’kyren conhecidas até aqui em World of Warcraft: do Flagelo, Valarjar e Helarjar.

A história de Sylvana segue em sua sequência de tristezas e, mais uma vez, a outrora comandante elfa encontra a morte. Desta vez, Sylvana é morta por Lord Godfrey (em uma missão dentro do jogo, durante a expansão Cataclisma). Lord Godfrey é um nobre do reino de Gilneas que nutre verdadeiro ódio pelos mortos-vivos, uma vez que foram estes os responsáveis por um massacre sem precedentes ocorrido em sua terra natal. Para trazer a Rainha dos Renegados de volta a vida foi necessário o sacrifício de outras três Val’kyren: AgathaDaschla e Arthura. Esta foi a terceira morte de Sylvana, guardem essa informação. 😉

A nova Chefe Guerreira

Tempos depois, já sob a liderança de Vol’jin, a Horda volta a unir forças com a Aliança. Desta vez o oponente comum é a Legião Ardente, um antigo inimigo de Azeroth que volta a dar o “ar da desgraça”. Mesmo sob um ataque coordenado, Horda e Aliança perdem seus líderes maiores, Vol’jin e Varian Wrynn, respectivamente. O Chefe Guerreiro da Horda e o Rei da Aliança tombam em batalha.

Em seu leito de morte, sentado no “trono” do Chefe Guerreiro em Orgrimmar, Vol’jin passa o bastão para Sylvana em uma decisão que, como ele mesmo diz, “muitos não entenderiam”:

Ainda na expansão Legion, com Sylvana já à frente da Horda, suas atitudes “furtivas” eram questionadas por, por exemplo, a Chefe Guerreira supostamente não estar dando a devida atenção à guerra contra a Legião Ardente e ser encontrada durante as missões no mapa de Trommheim, área dedicada aos gigantes e servos dos deuses Odyn e de sua filha adotiva e primeira Val’kyren, Helya, deusa da morte.

O quê a Rainha Banshee teria de tão importante para fazer a ponto de deixar de lado a guerra contra a Legião Ardente?

Uma líder sem objetivos claros

Em Trommheim, podemos ver Sylvana em dois momentos muito específicos durante as missões na região:

Em um vemos a Dama Sombria em Helheim, o reino dos mortos, em um diálogo “nada republicano” com, nada mais, nada menos, que a própria deusa da morte do local, Helya. Ao encontrar Sylvana e Helya conversando, a única parte do diálogo que ouvimos/lemos é a deusa dizendo à Chefe Guerreira: “Lembre-se do nosso acordo, Banshee. Não se atreva a me trair.” A quest então termina ao se cumprir uma missão de nome “O Acordo Desesperado“. No mínimo estranho… Confira no vídeo abaixo:

Em outro momento vemos a Rainha Banshee tentando capturar uma das Val’kyren de Odyn, entidades criadas pelo deus capazes de ressuscitar pessoas. Foi copiando as Val’kyren de Odyn que o Lich Rei criou as suas versões para servir aos planos do Flagelo.

Sabendo que, naquele momento, das nove Val’kyren que serviam a Sylvana, apenas quatro estavam vivas (já que outras quatro já haviam se sacrificaram para ressuscitar a Banshee no passado e que a Val’kyren Aradne havia sido morta pelas forças da Aliança) é possível imaginar o objetivo da Dama Sombria em capturar alguma Val’kyren. Principalmente se pararmos para refletir que as Val’kyren são as únicas criaturas capazes de fazer a população de Renegados crescer, uma vez que estes são todos mortos-vivos. Atualmente a Chefe Guerreira tem apenas três Val’kyren ao seu comando, já que Brynja foi morta por Tyrande na Costa Negra.

Confira no vídeo abaixo Sylvana tentando capturar a Rainha das Val’kyren, Eyir, e sendo impedida:

Alguns suspeitam que Sylvana tem articulado um plano que visa fazer a população de mortos-vivos, e consequentemente de Renegados, crescer para, assim, aumentar a força da Horda e esta sair vitoriosa sobre a Aliança em guerra. Outros acreditam que a Dama Sombria estaria, simplesmente, buscando aumentar o número dos seus Renegados para, quem sabe, abandonar os preceitos da Horda e, com isso, ser a rainha absoluta de um povo livre, forte e independente das facções e suas curtas e fúteis vidas. Nós queremos propor uma reflexão diferente aqui:

E se Sylvana estiver, realmente, preocupada com o futuro de Azeroth e com uma ameaça maior do que apenas a guerra entre Aliança e Horda? Maior até que a própria Legião Ardente, o inimigo que ela “ignorou”, de certa forma, para buscar seus objetivos escusos?

Antes de responder a esse questionamento, precisamos refutar uma “culpa” que imputam, erroneamente, a Sylvana Correventos.

De quê vale uma profecia sem um intérprete?

Para muitos Sylvana é a principal suspeita de, eventualmente, vir ser a responsável por trazer um grande mal que assolará Azeroth. Isso por conta de uma das profecias de Il’Gnoth, o “grande olho” da primeira raide de Legion, Pesadelo Esmeralda. Durante a luta contra este boss ele fica lançando frases aparentemente sem sentido, mas que se mostram como profecias, ou lembranças quem sabe. Tais quais:

“The boy-king serves at the master’s table. Three lies he will offer you.”
O rei-menino serve na mesa do mestre. Três mentiras ele oferecerá a você.
(Claramente se refere a Anduin Wrynn, filho do antigo rei, Varian Wrynn, e atual Rei da Aliança, não é? Pode ser. Ou não.)

“Flesh is his gift. He is your true creator.”
Carne é o seu presente. Ele é o seu verdadeiro criador.
(Uma referência a Maldição da Carne.)

“The king of diamonds has been made a pawn.”
O rei de diamante foi feito de peão.
(Aqui é claríssimo que trata de Magni Barbabronze e de como ele foi enganado para recolher o Poder de Azerita no Coração de Azeroth. Deu no que deu, né… Mais a frente tudo se ajusta na nossa teoria.)

“Five keys to open our way. Five torches to light our path.”
Cinco chaves para abrir nosso caminho. Cinco tochas para iluminar nosso caminho.

“Her heart is a crater, and we have filled it.”
O coração dela é uma cratera, e nós o preenchemos.
(Referência a alguém, do sexo feminino, que teria o “coração vazio” antes de ser preenchido com objetivos pelos Deuses Antigos? Ou apenas uma referência a cratera de Silithus preenchida com a espada de Sargeras?)

“To find him, drown yourself in a circle of stars.”
Para achá-lo, mergulhe em um círculo de estrelas.

“The lord of ravens will turn the key.”
O Senhor dos Corvos vira-rá a chave.
(Quem sabe falando sobre o passado de Medivh que foi a chave para o portal de entrada dos Orcs em Azeroth.)

E, a que mais importa para nós:

“At the hour of her third death,
she will usher in our coming.”
– – –
Na hora da sua terceira morte,
ela dará inicio a nossa vinda.

Por conta desta última profecia, e por desconsiderar ou desconhecer que Sylvana já morreu três vezes, como já mostramos neste texto, muita gente acredita que a Rainha Banshee é um fantoche nas mãos dos Deuses Antigos e que ela será a responsável por cumprir algum desejo obscuro deles no futuro. Mas, como iremos mostrar aqui, a profecia se referia a outra pessoa.

Vamos seguindo com o raciocínio que vocês vão entender.

Il’Gnoth, o “oião” de Pesadelo Esmeralda

O verdadeiro cumprimento da profecia

Após todos os acontecimentos citados acima nós entramos na atual expansão, Battle for Azeroth (aquela nós apresentamos AQUI pra vocês), que traz Sylvana Correventos definitiva e incisivamente ao centro do jogo. Aqui temos, pelo menos, dois grandes focos principais: o renascer da grande rivalidade e guerra entre as facções da Horda e Aliança (que estava em trégua por conta da luta contra a Legião Ardente), e o retorno das temidas Nagas, e o esperado encontro da sua Rainha Azshara (e todo o lore e consequências do seu retorno, que falaremos adiante).

Graças a atitude “cruel e inconsequente” (calma, mais pra frente você vai entender as aspas) de Sylvana ao queimar Teldrassil, a cidade-árvore-sagrada dos Elfos Noturnos, a guerra entre Horda e Aliança entra em um momento que leva ambas as facções a irem em busca de novos aliados para a batalha, e isso introduz as áreas de Kul’Tiraz e Zandalar ao jogo, assim como suas raças nativas. Mais adiante as regiões de Mecagon e, principalmente, Nazjatar, o reino submerso das Nagas, também são apresentadas.

Em Nazjatar, mais precisamente no Palácio Eterno da Rainha Azshara, a profecia de Il’Gnoth se realiza. Ao enfrentar e matar Azshara, com os jogadores usando o poder do Coração de Azeroth, os heróis libertam o Deus Antigo aprisionado, N’Zoth. No vídeo abaixo você pode ver todos os bosses da raide, a luta final contra Azshara, a cinemática da libertação de N’Zoth (que começa aos 15:33 minutos) e o diálogo entre Jaina e Lor’themar Theron após a constatação da libertação do Deus Antigo:

Azshara e suas três mortes

Apesar de muitos não saberem, Azshara já havia “morrido” duas vezes antes da sua queda diante dos heróis no seu Palácio, em Nazjatar. Por isso acreditamos que a profecia tratava dela, e não de Sylvana. Veja:

A primeira “morte” de Azshara se deu ainda antes de a arcanista ser uma elfa noturna, ela ainda era uma Dark Troll vivendo com sua tribo às margens da Nascente da Eternidade. Após esta ser acusada, julgada e considerada culpada de traição por ajudar “raças inferiores” a evoluir usando os poderes das águas da Nascente, Azshara recebeu como punição a morte por afogamento. Ela foi então presa em uma jaula e arremessada na Nascente, para que ali se afogasse. A arcanista não só não se afogou como destruiu sua prisão e emergiu mudada, como relata o loremaster brasileiro de WoW, Durokar, neste texto:

“Quando [Azshara] ressurgiu, não estava morta. Estava totalmente diferente. Sua forma física se tornou ao que hoje conhecemos como os Elfos Noturnos, seus olhos brilhavam em pura energia, sua pele escura ganhou um brilho imensurável.
Azshara adquiriu um poder arcano jamais visto em Azeroth.”

Azshara emerge da Nascente da Eternidade não mais como uma Dark Troll, mas como uma Elfa Noturna. Ela então mata seus algozes, mas age com clemência em favor daqueles que, agora, decidem segui-la. Estes passam a ser seu povo e são, a seu tempo, também transformados em elfos noturnos com a ajuda das águas da Nascente.

A segunda morte de Azshara se dá séculos depois, com ela já como Rainha dos Elfos Noturnos e maior arcanista de Azeroth, durante o fenômeno que ficou conhecido como A Grande Cisão, quando o grande, e único, continente de Kalimdor foi dividido nos demais continentes que temos hoje. Durante o evento cataclísmico a Rainha é tentada e, para salvar a si e a seu povo, sucumbe aos desejos do Deus Antigo, N’Zoth, como mostra o vídeo abaixo:

Por estes motivos (o fato de atender ao requisito de “morrer três vezes” e logo em seguida o Deus Antigo, N’Zoth, se manifestar liberto), fica claro para nós que a profecia falava de Azshara, não de Sylvana.

Então, estamos entendidos quanto ao fato de que Sylvana não foi profetizada, coisa nenhuma, como possível serva dos Deuses Antigos?

Sigamos em frente!

Ok, mas… E a Sylvana? E o P#, hein?!

O que sabemos, de fato, até aqui é:

  • Alguma entidade muito poderosa, possivelmente ligada às Forças Cósmicas da Morte (e que não é nem o Loa Bwonsamdy, nem o novo Lich Rei e nem a Rainha das Val’kyren, Eyir), trouxe o espírito de Vol’jin do mundo dos mortos e, aparentemente, uma outra entidade sussurrou ao Caçador Sombrio, no seu leito de morte, que nomeasse Sylvana como Chefe Guerreira. Você pode ver isso na campanha d’O Espírito de Vol’jin, no vídeo abaixo:
  • Sylvana tem procurado entidades com a capacidade de trazer pessoas de volta a vida, ou a não-vida, como mostramos mais lá pra cima, neste texto;
  • A Dama Sombria também tem promovido ataques massivos a cidades que não estão diretamente em zonas de guerra. Tais ataques são difíceis de serem considerados “atos de guerra comuns”, uma vez que os locais atacados estão cheios de inocentes e estes tem sido, corriqueiramente, parte das baixas destes ataques. Como foi o caso em Tel’drassil e Brenadamn;
  • A Chefe Guerreira também está de posse da Xal’atath, um Artefato-Deus-Antigo que, dentre outras coisas, tem o poder de seduzir o seu portador, e ela diz que este Artefato “causará uma nova reviravolta na guerra” e “nos conduzira até a vitória”, conforme o vídeo abaixo mostra:

  • O fato de Sylvana estar de posse da Xal’atath seria um belo problema, e poderia, realmente, tornar a Banshee um servo de N’Zoth e dos Deuses Antigos, não fosse uma pequena questão: os Deuses Antigos, que “são manifestações físicas das Forças Cósmicas da Sombra/Caos (ou Void, no inglês), não conseguem ter controle sobre os mortos-vivos, que são “seres presos entre a vida e a morte e se alimentam das energias necromânticas que permeiam o universo”. Sendo, assim, ligados as Forças Cósmicas da Morte. Por estes motivos, os Deuses Antigos e os Senhores do Caos, temem os mortos-vivos [os textos entre “aspas” e em itálico deste parágrafo são definições tiradas do livro World of Warcraft – Crônica: Volume 1].
    Podemos conferir isso na prática na HQ ‘As Três Irmãs‘, quando os Senhores do Caos, que “habitam o corpo” de Alleria Correventos, irmã de Sylvana, tomam uma postura enlouquecida e sussurram repetidas vezes para Alleria matar a irmã, pois esta “serve ao verdadeiro inimigo. A HQ está linkada abaixo para você conferir:

Clique na imagem para ler a HQ.

A Teoria de Fato

Diante de todas as informações postas aqui nós supomos que a Dama Sombria, Sylvana Correventos, quer: ou (1) criar um exército de mortos-vivos para enfrentar os Deuses Antigos/Senhores do Caos, ou (2) quer transformar o máximo possível dos seres de Azeroth em mortos-vivos para minimizar a influência das entidades da Sombra/Caos sobre o mundo.

Para ambos os casos o melhor caminho é um só. Pensemos bem: quais os elementos necessários para tornar uma quantidade massiva de criaturas/pessoas em mortos-vivos?

Bem… Mortos, claro, e seres capazes de trazer estes mesmos mortos de volta em um estado não-vivo, como as Val’kyren fazem.

Os mortos, em tese, podem ser conseguidos “facilmente”, quer seja por meio de assassinados aleatórios, do uso da Praga (como foi feito em Lordaeron) ou de outras medidas tão efetivas quanto. Mas, convenhamos, nada mata mais pessoas do que uma guerra, não é verdade? O que dizer, então, de uma guerra sem quaisquer escrúpulos? Que não poupa nem mulheres e crianças? Que promove ataques furtivos a cidades sagradas e queima seus habitantes dentro das suas “muralhas”?

Uma guerra dessas poderia levar o lado inimigo ao ódio absoluto. Quem sabe até fazendo-o tomar atitudes tão más quanto às do atacante inicial, ao buscar vingança pelos seus mortos, e indo até as últimas consequências para levar “justiça” aos seus cruéis oponentes! Desta forma, com a implantação de uma guerra desmedida dessas, uma das variáveis da nossa equação estaria abundante no mundo: os mortos estariam por todos os lados!

Com relação à outra variável (as formas de trazer pessoas de volta como mortas-vivas), vale lembrar que Helya, a deusa dos mortos de Trommhein, é a primeira Val’kyren criada por Odyn. Em Legion, nas missões que vemos Sylvana encontrar Helya, a Dama Sombria acaba por tomar posse da Lanterna capaz de aprisionar a Rainha das Val’Kyren, Eyir, mas acaba sendo impedida de concretizar seu plano por Genn Greymane, como vimos no vídeo lá em cima. Resta saber se a “parceria” entre Sylvana e Helya ainda está de pé, e Helya estaria disposta a agir como uma das Val’kyren da Rainha Banshee para montar seu exército, ou se foi destruída junto com a Lanterna.

Ainda em Legion, durante a raide Anthorus, Varimathras já deixa a entender que existe um plano de Sylvana em execução nas sombras:

Diálogo de Varimathras para a Horda
“Então, finalmente ela me encontrou? Enviou capachos para terminar o serviço.
Me diga, quando ela se apossou do seu trono de peles e ossos, sua lealdade foi obrigatória? Não. Eu aposto que você se rendeu de bom grado, ou foi convencido de que o foi assim.
Não importa mais, você está cego pela escuridão ao seu redor.”

Diálogo de Varimathras para a Aliança
“Então, sua aliança ainda resiste? Mais do que eu esperava!
Apesar de ela já ter plantado as sementes da sua queda. Ela é paciente, aquela lá… Quando seus tronos estiverem vermelhos de traição, quando seus lugares sagrados queimarem, e a máscara partida estiver pendurada sobre o seu coração, só então você saberá. E então será muito tarde!
Não importa mais, você está cego pela verdadeira escuridão que se fecha ao seu redor.”

Na mais recente cinemática, onde vemos Sylvana enfrentando Varok Saurfang, a Chefe Guerreira, após instigada por Varok, acaba por proferir as palavras: “A Horda não é nada!” Mas, e se a frase completa que a Rainha Banshee gostaria de poder dizer fosse: “A Horda não é nada diante dos oponentes que se avizinham.”

Saindo da história do jogo e voltando para o mundo real, a Blizzard já disse diversas vezes que Sylvana não será um Garrosh 2.0. Ou seja, por mais que as ações da atual Chefe Guerreira pareçam ser dúbias ou imprudentes, como foram as ações de Garrosh, o depoimento da empresa nos leva a crer que o desfecho dessa lore apresentará Sylvana como uma heroína, não uma vilã, como aconteceu com o filho de Gromash Grito Infernal.

Partindo de todo esse pressuposto apresentado, e tomando como referência uma conversa que tive como o amigo João “Jão” Pablo Rocha, passei a crer, como ele, que, caso o plano de Sylvana seja mesmo o de criar um exército de mortos-vivos para enfrentar os Deuses Antigos, com o objetivo de que os habitantes de Azeroth possam ir de encontro às suas forças sem se corromper com a sua influência, a Dama Sombria deve acabar se sacrificando ao final para, de alguma maneira, trazer aqueles a quem ela usou como arma de guerra de volta a vida.


É isso! Procurei apresentar todos os elementos em que embasei a minha suposição. Se está certa ou não, só o tempo, e a lore oficial, dirá. Deixo o meu agradecimento ao “Jão” pelo start que me levou a montar esse texto.

Se você gostou, acompanha a gente nas nossas redes sociais para não perder as novidades. Se não gostou, também acompanha lá e escreve aqui em baixo a sua crítica ao texto. Vamos ler e tentar melhorar.


Acompanhe nossas redes sociais:
Facebook | Instagram | YouTube | Twitter


Continue lendo
Publicidade

Facebook

Mais Lidas