Charmed | Primeiras impressões do reboot - Multiversos
Siga-nos nas redes sociais

Os que se encantaram com as irmãs Halliwell e o Poder das Três em Charmed (1998-2007) ficaram ao mesmo tempo animados e receosos com seu reboot. Depois de assistir os três primeiros episódios, vai aqui nossa crítica!

Charmed (oficialmente Jovens Bruxas, aqui no Brasil) foi uma série que acompanhava a vida e as aventuras das irmãs Halliwell – Prue, Piper e Phoebe – na tentativa de conciliar suas vidas entre o mundo mortal e o mundo da magia. Profetizadas como as mais poderosas bruxas da existência, contanto com um poder coletivo chamado de Poder das Três, usavam poções e feitiços para destruir demônios, derrotar feiticeiros e salvar o mundo. Tudo isso com uma boa dose de comédia e romance!

Da esquerda para a direita: Piper, Prue e Phoebe Halliwell.

Na quarta temporada, descobrimos também uma quarta irmã: Paige Matthews, fruto de um caso entre a mãe das meninas e seu Luz Branca (termo oficial aqui no Brasil, mas por vezes chamado de anjo ou guardião)! Ao fim da oitava temporada, vemos as bruxas merecendo seu final feliz, encontrando o amor e tendo a nova geração mágica!

Paige Matthews: meia-irmã, meio-anjo e totalmente bruxa!

Mas as Encantadas (The Charmed Ones, no original) não ficariam só por aí. Muitos esperavam que já em 2007 houvesse um spin-off com Billie Jenkins, uma protegida de Paige e aprendiz das irmãs, mas apesar dos produtores terem feito essa insinuação, o projeto nunca aconteceu. Foi só em 2017 que foi anunciada uma nova série, mas sem grandes detalhes. Os fãs começaram a se movimentar e criar teorias: Teria a Fonte de Todos os Males despertado de novo?? Teriam os Avatares voltado ao mundo?? As irmãs lidariam com tudo ou seus filhos seriam os heróis??

Nenhuma dessas possibilidades. O que foi feito com Charmed foi uma verdadeira repaginada. Em tudo! Assim como O Mundo Sombrio de Sabrina, a série não é um remake da original, mas um reboot, um reinício. Foi como se alguém tivesse reescrito toda a história de Charmed, um recomeço. Boa parte dos fãs de cara já se manifestou contra. Quando souberam da ausência das atrizes originais, entraram em polvorosa. No Twitter, a própria Holly Marie Combs (que interpretou Piper Halliwell de forma magistral) se mostrou um tanto descrente e – por que não dizer? – chateada com a ausência do elenco original. Depois, no entanto, pareceu ter pensado melhor (e explodido alguns demônios) e disse que valia dar uma chance e ver como ficaria o trabalho.

No Twitter, Holly Marie Combs (Piper Halliwell) se mostrou até mesmo irritada…

Depois de assistir os três primeiros episódios (já que três é um número tão importante para a série) foi possível começar a avaliar o enredo e a proposta da primeira temporada. Confesso ter assistido o quarto, também enquanto escrevia, de modo que coloquei algumas informações adicionais! São Francisco foi trocada pela cidade fictícia de Hilltown e em vez de termos irmãs com diferentes empregos, temos irmãs ligadas à vida acadêmica e universitária, num tom um tanto quanto mais moderno. E a Fonte de Todos os Males já está à espreita!!

reboot começa com apenas duas irmãs, Mel (Melonie Diaz) e Maggie Vera (Sarah Jeffery), contrapartes de Piper e Phoebe Halliwell, respectivamente. Enquanto Mel é uma ativista, Maggie está mais focada em ser aceita. É nessa diferença que reside sua força, segundo a mãe das meninas.

As novas Encantadas: Mel, Macy e Maggie.

Mel não fica calada. Nunca. É uma verdadeira guerreira social, uma feminista. E uma lésbica que nunca conheceu o que é estar no armário (sua mãe a criou de forma a sempre ter orgulho de si mesma). Por isso, talvez, seja difícil para ela – mais que para as outras – esconder seu legado na bruxaria. Foi a que mais ficou animada com a revelação de ser uma bruxa (em total oposto a Piper, que queria negar a todo custo). Mas, como Piper, sabe ser muito sarcástica. Ambas possuem o dom de “congelar o tempo”, o Estase Temporal. Ainda não se sabe se é realmente o tempo que para ou se, como Piper, ela imobiliza as moléculas ao redor.

Maggie foi a que mais negou a herança bruxa logo no início. “Eu nem gosto de me vestir de bruxa no Halloween!” Talvez essa troca entre ela e Mel tivesse sido proposital. Muito da personalidade de Phoebe se vê nela: é extrovertida e romântica, assim como sua contraparte (eu perdi a conta do número de namorados que Phoebe teve) e foi a primeira aceitar a nova irmã (como aconteceu com Paige); mas também é a “boa menina”, enquanto Phoebe era a rebelde desde criança. Mas a maior diferença entre elas seja seu dom. Maggie tem o dom da Telepatia em vez da Premonição de Phoebe.

Mel e Maggie são as contrapartes de Piper e Phoebe.

Marisol Vera (Valerie Cruz) bloqueou os poderes das filhas na infância para lhes dar uma chance de uma vida normal, sem demônios e feiticeiros a cada canto, de forma muito similar ao que Penny Halliwell, avó das Encantadas originais, havia feito. E, da mesma forma que Patty, é morta por um demônio. Marisol é uma amálgama de Penny e Patty, mas com o dom da Profecia. Criou as meninas com mente aberta, sem preconceitos ou barreiras de nenhum tipo.

Três meses depois surge uma terceira irmã, Macy Vaughn (Madeleine Mantock), contraparte de Prue Halliwell e Paige Matthews. Uma geneticista que conseguiu emprego na Universidade de Hilltown e mudou-se para lá. Aparentemente, cada cidade pequena da ficção possui sua própria universidade. Diferente das irmãs muito levadas pela emoção, Macy é racional, planejadora e de pensamento rápido. Logo no primeiro episódio ela é elogiada por seu alto QI. Quando aceita a bruxaria, diz que vai estudá-la a nível molecular e ganhar um prêmio Nobel! Assim como Prue, ela é a mais velha das irmãs e conhece latim. Como Paige, ela é uma meia-irmã e não foi criada por sua mãe, mas por seu pai. Todas possuem o dom da Telecinese (embora o de Paige fosse alterado por ser uma mistura entre seres celestiais e humanos).

Macy Vaughn, inspirada em Prue e Paige!

O Luz Branca (por que eles não conseguem trocar esse termo horroroso?) das meninas não é mais Leo Wyatt, mas sua contraparte é o inglês Harry Greenwood (Rupert Evans). Existe também um certo paralelo entre Harry e Chris Halliwell, o filho de Piper e Leo, que também possuía telecinese. É mais ligado em regras, normas e protocolos como um verdadeiro britânico, mas aprende a confiar nas meninas no decorrer dos episódios. Apesar de manter-se como guia (não só no que diz respeito à parte mágica), também não é um mero mentor, mas entra de frente num combate e pode destruir demônios ele mesmo. Aparentemente os Luzes Brancas nessa série são mais combativos que os originais.

Harry Greenwood faz as vezes de Leo Wyatt.

Outra diferença entre as séries é a do Conselho de Anciões. Enquanto originalmente eram Luzes Brancas de alta patente, aqui são bruxos e bruxas seniores, com “múltiplos poderes” segundo Harry. Uma delas aparece na série e era uma bruxa, amiga de Marisol, antes de ascender ao Conselho. Além disso, vivem no mundo mortal em vez do Paraíso. Essa diferença talvez seja explicada mais tarde ou talvez seja uma intertextualidade com os quadrinhos, onde Piper funda o Conselho das Bruxas para ficar independente dos Anciões e decidir elas mesmas o próprio destino.

E, enquanto as irmãs Vera são hispânicas, Macy é afro-americana. Esse talvez seja um toque que não havia na série original: a diversidade no elenco e na caracterização dos personagens. Além disso, há uma pegada mais feminista (principalmente na figura de Mel), mais forte que na primeira série. O reboot aumentou ainda mais a figura da independência feminina, principalmente com Harry sendo muito mais guia e mais cheio de regras que Leo… Leo quebrou as regras ao se casar com Piper, então não há muito o que discutir nesse ponto. Harry se mantém dentro das regras e da tecnicalidade para encontrar saídas, enquanto Leo as desafiava.

Os efeitos são, sem dúvida, interessantes!

 Há claramente uma pegada mais millenial em Charmed. Ainda que os feitiços sejam em latim em vez de inglês (um agrado aos fãs que adoram magia em línguas antigas), a modernidade está permeando a magia. As irmãs anotam feitiços em celulares, usam selfies para ajudar a banir demônios e levam resíduos mágicos para serem analisados em laboratório. Nunca havia acontecido, no original, das irmãs terem banido um demônio possessor com soda cáustica porque reagia aos compostos moleculares! E nunca vimos uma Anciã andar de elevador enquanto falava ao celular sobre sua empresa!

No geral, o reboot fica com uma nota de 3,7 em 5. Não é ruim, mas ainda levanta muitas questões. É preciso esperar para ver como a série se desenvolve para uma opinião mais elaborada. Para os fãs originais que estão torcendo o nariz, deem uma chance e venham com a mente aberta. Lembrem-se: não é um remake, é um reboot. Um recomeço, não uma refilmagem.

Séries | TV

Escolhida a atriz para viver a Ms. Marvel na série do Disney+

Após meses de anúncios sobre a escolha dos produtores e diretores de Ms. Marvel, finalmente temos a escolha da protagonista da série!

Rafa-el Lima

Publicado há

em

Ms-Marvel-Imon-Vellani-Disney+-series

Parece que a busca por uma atriz para interpretar a Ms. Marvel finalmente chegou ao fim. De acordo com o site Deadline a Marvel Studios contratou a atriz iniciante Iman Vellani para o papel de protagonista da sua série baseada nos quadrinhos da heroína.

Nas últimas semanas vimos que a Marvel e Disney+ nomearam Adil El Arbi & Bilall Fallah, Sharmeen Obaid-Chinoy e Meera Menon como diretores do projeto.

Ainda de acordo com o Deadline, a Marvel não quis comentar a notícia.

A série Ms. Marvel terá como produtora a showrunner Bisha K. Ali e focará em Kamala Khan, uma adolescente inumana paquistanesa-americana que mora em Nova Jersey, e que assume a alcunha de Ms. Marvel por ser fã da Capitã Marvel. A heroína apareceu pela primeira vez em 2014 como a primeira personagem muçulmana da Marvel a estrelar seu próprio título, e ela se tornará o primeiro herói muçulmano da Marvel Studios na tela. O chefe da Marvel Studios, Kevin Feige, disse que, além de aparecer nas telinhas, Kamala Khan será incluída em futuros filmes da Marvel.

Ms-Marvel-Imon-Vellani-Disney+-series2

Contemplem o rostinho da nossa Ms. Marvel, uma heroína que veremos muito nos próximos anos do MCU.

O plano da Marvel sempre foi ser o mais fiel possível à personagem da Ms. Marvel nas HQs e encontrar a atriz ideal para interpretá-la, mesmo que isso significasse escolher uma pessoa que não era muito conhecida do público.

++Leia Mais:
– Série documental Marvel 616 mergulha no mundo dos super-heróis
– Confira o primeiro trailer de WandaVision

A Marvel e a Disney + têm trabalhado arduamente para definir seu plano de desenvolvimento nas últimas semanas, não apenas definindo Tatiana Maslany para interpretar a protagonista de She-Hulk, mas também dando ao personagem Nick Fury de Samuel L. Jackson sua própria série. O estúdio também anunciou que WandaVision seria o primeiro show a estrear no streaming ainda este ano.


Acompanhe nossas redes sociais para maiores novidades:
Facebook | Instagram | YouTube | Twitter




Continue lendo

Séries | TV

Série documental Marvel 616 mergulha no mundo dos super-heróis

Confira o trailer da nova série documental do Disney+ sobre o universo criativo das produções de HQs, séries e filmes de super-heróis.

Rafa-el Lima

Publicado há

em

Marvel-616-Disney+-série-documental

A Marvel disponibilizou hoje um trailer totalmente novo para a série documental Marvel 616. Esta nova série chegará ao Disney+ ainda este ano e oferecerá um mergulho profundo no universo Marvel. Mas não apenas o que se esconde nas páginas dos quadrinhos. Em vez disso, a série terá como objetivo mostrar-nos como a Marvel causou um impacto no mundo real ao longo dos anos, explorando todos os tipos de histórias envolvendo os personagens e fãs da empresa.

O trailer começa nos apresentando um pouco da filosofia do falecido Stan Lee, que prepara o cenário para o que o documentário está tentando realizar. O trailer nos dá breves vislumbres das oito histórias diferentes que serão contadas, através dos olhos de oito cineastas diferentes, ao longo da primeira temporada do programa. Cosplay. Arte. História. Teatro.

Marvel 616 se propõe a explorar o legado da Marvel, de personagens, criadores e contadores de histórias pioneiros. Cada documentário, que é dirigido por um cineasta diferente, mostra as interseções de narrativa, cultura pop e fandom dentro do universo Marvel. Os episódios desta série de antologia cobrirão uma ampla gama de tópicos, incluindo os artistas da Marvel, as mulheres da Marvel Comics, os personagens esquecidos da Marvel e muito mais.

++Leia Mais:
– Confira o primeiro trailer de WandaVision
– She-Hulk | Tatiana Maslany será a protagonista da série do Disney+

David Gelb dirigiu o primeiro episódio, intitulado The Japanese Spider-Man (O Homem-Aranha Japonês, em tradução livre), que mostra a adaptação japonesa de 1978 do amado cabeça-de-teia da Marvel, que raramente foi visto pelos telespectadores do resto do mundo (exceto pelos memes, claro). Gillian Jacobs dirigiu o segundo episódio da série. Ele oferece uma perspectiva do que significa ser mulher no que é percebido como uma indústria movida por homens. Intitulado Higher, Further, Faster (Mais Alto, Mais Longe, Mais Rápido, também em tradução livre), o episódio traz para o centro da conversa as mulheres pioneiras da Marvel Comics e explora como elas encontraram maneiras de contar histórias de representação e inclusão. Amazing Artisans (Artesãos Incríveis) é o terceiro episódio, dirigido por Clay Jeter e apresenta dois artistas da Marvel, Javier Garron e Natacha Bustos, que vivem em Barcelona.

Paul Scheer dirige o quarto episódio intitulado Lost and Found (Achados e Perdidos), que explora personagens obscuros e esquecidos do universo Marvel. Suit Up! (Vista-se!) é o quinto episódio e foca a cultura do cosplay. Foi dirigido por Andrew Rossi. Sarah Ramos dirige Unboxed (Foda da Caixa), sexto episódio, que mostra a relação entre brinquedos e quadrinhos. Bryan Oakes dirigiu The Marvel Method (O Método Marvel), episódio sete, que explora o que foi necessário para criar a nova história em quadrinhos do Homem de Ferro de 2020. Por fim, Alison Brie dirige o último episódio da temporada, Marvel Spotlight (Projetor Marvel). Ele mostra um grupo de alunos de uma escola secundária da Flórida que está apresentando novas peças de teatro da Marvel Spotlight.

O Disney+ também terá uma gama de séries do MCU começando com WandaVision ainda este ano. Entre as demais atrações também estão O Falcão e o Soldado Invernal, Loki, She-Hulk dentre outras. E mais, as série serão fortemente ligadas ao Universo Cinematográfico da Marvel, ao contrário do Demolidor da Netflix e sua trupe.

Marvel 616 tem estreia marcada para 20 de novembro na Disney+. Não deixe de conferir o novo trailer lá em cima, no início do post.


Acompanhe nossas redes sociais para maiores novidades:
Facebook | Instagram | YouTube | Twitter




Continue lendo

Séries | TV

Confira o primeiro trailer de WandaVision

Confira o primeiro trailer da série WandaVision, produção da Marvel Studios para o serviço de streaming Disney+

Rafa-el Lima

Publicado há

em

wandavision-poster-hq-top-trailer

A Marvel Studios finalmente revelou o primeiro trailer de uma das suas produções para o Disney+, WandaVision.

O serviço de streaming Disney+ acabou de dar mais um gostinho de como serão as produções da Marvel Studios com o primeiro trailer de WandaVision (ACIMA). O trailer mostra o que parece ser uma realidade construída onde Wanda e seu amado, Visão, personagem morto por Thanos em Vingadores: Guerra Infinita, estão casados e felizes.

As cenas apresentadas trazem muitas referências a séries americanas dos anos 70 e 80, bem como easter eggs dos quadrinhos, como Wanda vestida de Feiticeira Escarlate.

Nos quadrinhos, Wanda, em um acesso de loucura, é responsável pela morte do seu amado e, em consequência disso, cria uma realidade onde a vida de todos à sua volta é perfeita. Além disso, gera dois filhos por meio apenas do seu desejo inconsciente e ainda é responsável pelo maior genocídio de mutantes da história dos quadrinhos. Ou seja, a Wanda dos quadrinhos é MUITO poderosa.

Será que estamos vendo o alvorecer dos imensos poderes de Wanda no Universo Cinematográfico da Marvel? Só o tempo dirá.

WandaVision será lançada no streaming da Disney+ em breve.

++Leia Mais:
– Série da Miss Marvel pode ter diretores de ‘Bad Boys Para Sempre’
– She-Hulk | Tatiana Maslany será a protagonista da série do Disney+


Acompanhe nossas redes sociais para maiores novidades:
Facebook | Instagram | YouTube | Twitter




Continue lendo

Séries | TV

Série da Miss Marvel pode ter diretores de ‘Bad Boys Para Sempre’

A vindoura série da Miss Marvel para a Disney Plus parece ter adicionado os diretores de Bad Boys Para Sempre ao seu elenco.

Rafa-el Lima

Publicado há

em

Marvel_Studios_Ms_Marvel_Kamala_Khan_Disney_Plus

Os diretores de ‘Bad Boys Para Sempre’ podem estar à frente de uma das próximas séries da Marvel no Disney Plus: Miss Marvel.

A vindoura série da Miss Marvel para a Disney Plus parece ter adicionado os diretores de Bad Boys Para Sempre, Adil El Arbi e Bilall Fallah, ao seu elenco.

As notícias sobre as várias séries da Marvel e Disney Plus que estão à caminho têm movimentado os últimos dias. No início desta semana, a série She-Hulk não apenas anunciou que tinha adicionado um diretor à sua lista, mas também escalou Tatiana Maslany como a heroína protagonista. Agora parece que a Miss Marvel está seguindo o exemplo.

Nos quadrinhos, a Miss Marvel, também conhecida como Kamala Khan, é uma adolescente paquistanesa que é Inumana e é a primeira personagem muçulmana a estrear seu próprio quadrinho. O personagem idolatra Carol Danvers, também conhecida como Capitã Marvel, e assumiu o nome como uma homenagem a sua heroína favorita. No ano passado, foi oficialmente revelado que uma série da Miss Marvel estava em desenvolvimento para o Disney+. Desde então, temos apenas rumores sobre quem pode entrar na série. Agora, no entanto, parece que finalmente começamos a ter maiores informações sobre o futuro da série.

++Leia Mais:
– Cavaleiro da Lua | Série da Marvel escala criador da série ‘The Umbrella Academy’ como roteirista principal
– Ator de Lovecraft Country, Jonathan Majors, junta-se ao Universo Cinematográfico da Marvel

De acordo com informações do site Heroic Hollywood, os diretores do filme Bad Boys Para Sempre, Adil El Arbi e Bilall Fallah, estarão entre os diretores da série. Além deles, a vencedora do Oscar Sharmeen Obaid-Chinoy também comandará pelo menos um episódio, assim como a diretora de The Walking DeadTitansJusticeiro, Meera Menon. No momento, ainda não há informações sobre quem interpretará a personagem da Miss Marvel.

Os próximos filmes da Marvel Studios incluem Viúva NegraOs EternosShang-Chi e a Lenda dos Dez AnéisDoutor Estranho no Multiverso da Loucura e Thor: Amor e Trovão. Além dos longas a Marvel Studios está desenvolvendo várias séries para o Disney Plus, incluindo O Falcão e o Soldado InvernalWandaVisionLokiWhat If …?Hawkeye, Miss MarvelMoon Knight e She-Hulk.


Acompanhe nossas redes sociais para maiores novidades:
Facebook | Instagram | YouTube | Twitter




Continue lendo

Séries | TV

She-Hulk | Tatiana Maslany será a protagonista da série do Disney+

De acordo com os sites Deadline e Variety a atriz de Orphan Black, Tatiana Maslany, viverá a “versão feminina” do Hulk na série She-Hulk.

Rafa-el Lima

Publicado há

em

Tatiana-Maslany-She-Hulk

Uma das próximas séries da Marvel, a ser lançada no Disney+, achou em Tatiana Maslany a sua protagonista.

De acordo com os sites Deadline e Variety a atriz de Orphan Black, Tatiana Maslany, viverá a “versão feminina” do Hulk na série She-Hulk.

Nos quadrinhos a She-Hulk é Jennifer Walters, uma advogada que, após um ferimento, recebeu uma transfusão de sangue de emergência de seu primo, Bruce Banner, e adquiriu uma versão mais branda de sua condição Hulk. Como Banner, Walters se torna uma versão grande, poderosa e verde de si mesma; no entanto, ao contrário do primo, ela ainda mantém em grande parte sua personalidade – em particular, ela retém a maior parte de sua inteligência e controle emocional, embora como Hulk, ela ainda seja suscetível a explosões de temperamento e se torna muito mais forte se entrar em frenesi. Em edições posteriores dos quadrinhos, sua transformação é permanente.

O casting de Maslany veio na esteira do anúncio de que Kat Coiro estaria dirigindo vários episódios do show, incluindo o piloto.

++Leia Mais:
– She-Hulk | Série da Marvel terá a mesma roteirista de ‘Rick and Morty’
– A partir de novembro, Disney+ (“Disney plus”) é a nova casa de Disney, Marvel e Star Wars na América Latina

Tatiana Maslany foi aclamada por seu trabalho em Orphan Black, então tê-la entrando no Universo Marvel certamente trará mais atenção ao show. A grande questão agora é: como será desenvolvida a personagem She-Hulk? Ao contrário do Hulk, a She-Hulk permanece em sua forma corpulenta o tempo todo. Então, teremos aplicação maquiagem verde em Maslany ou tudo será feito digitalmente, com Maslany realizando trabalho de captura de movimento e voz? Só o tempo dirá.

A escritora de Rick e Morty, Jessica Gao, é responsável pela sala dos roteiristas da série.

She-Hulk tem previsão de estreia para 2022 no Disney+.


Acompanhe nossas redes sociais:
Facebook | Instagram | YouTube | Twitter




Continue lendo

Séries | TV

The Boys: 2ª Temporada | Crítica (Sem Spoilers)

A nova temporada de The Boys está chegando e nós do Multiversos trazemos para você, sem spoilers, a nossa análise desses novos episódios.

Jean Sinclair

Publicado há

em

The-Boys-2ª-Temporada

Sim! Nós já conferimos a 2ª temporada de The Boys e trazemos para vocês o que achamos de tudo o que vimos.

Anote aí a data no seu calendário: 04 de setembro será o lançamento da segunda temporada de The Boys, uma das séries mais aguardadas e aclamadas do serviço de streaming Amazon Prime Video.

Nós do Multiversos tivemos o prazer de assistir todos os episódios da mais nova temporada da série e vamos falar um pouquinho do que vimos. E você pode ficar tranquilo, não vamos entrar em território de spoilers, porque sabemos e queremos que você solte muitos “caralh…” enquanto é surpreendido nessa nova viagem alucinada trazida por Eric Kripke. Vale lembrar que a série The Boys é inspirada na HQ de Garth Ennis e Darick Robertson, publicada no Brasil pela editora Devir. Gostaríamos de, de antemão, agradecer imensamente aos amigos da Amazon Prime pela oportunidade. Vocês são demais.

The Boys 2ª temporada, crítica sem spoilers.

A piração de sempre com todos os malucos da série de volta nessa temporada.

A primeira temporada de The Boys focou bastante em construir esse universo. Essa escolha de roteiro foi algo muito importante, porque criou bases sólidas e necessárias para que, a partir delas, os personagens ganhassem um cenário crível e coeso, e pudessem ser desenvolvidos de forma gradual. E esse desenvolvimento foi muito bem mostrado.

O espectador conheceu as motivações de Billy Bruto (Billy Butcher, no original) e os porquês dele ter se juntado ao Francês (Frenchie) e ao Marv Leitinho (Marv Mother’s Milk), anteriormente sob o comando de Mallory. Aos garotos, que agora agem de forma independente, se junta o jovem e traumatizado Hughie, puxado para dentro dessa espiral de loucura e vingança contra a mega corporação Vought e seus supers, Os Sete. Comandados pelo seu maior herói, o Capitão Pátria (Homelander, no original), Os Sete posam de heroicos personagens à favor da sociedade mas, por trás das câmeras, são pessoas monstruosas e hediondas.

A primeira temporada focou em usar Hughie, do lado dos “mocinhos” e, do lado da Vought, mostrou a chega da novata Annie, a Luz-Estrela (Starlight), ingressando como um novo membro escolhido para integrar Os Sete. Com isso o espectador consegue adentrar em todo o universo da série.

++Leia Mais:
– Ben Affleck retornará como Batman em ‘The Flash’
– Scooby! | Crítica (Sem Spoilers)

Com toda a base pronta, e com os ganchos deixados na temporada anterior, a segunda temporada já começa com o pé no acelerador, partindo diretamente de onde a temporada anterior parou. Os três primeiros episódios da 2ª temporada, que serão lançados no dia 04 de setembro, têm sua narrativa centrada em ajustar as últimas pontas soltas da temporada anterior e organizar as peças no grande tabuleiro da nova parte da história.

Assim, somos apresentados à uma nova super chamada Tempesta (Stormfront), que vem para unir-se aos Sete, com seu jeito moderno e adaptado ao contexto de internet, redes sociais, lives on line e um discurso progressista, trazendo uma rebeldia que vai incomodar à todos, em especial ao Capitão Pátria. Também temos aqui a apresentação da uma misteriosa Igreja, que será importante no caminho do perdido e isolado Profundo (Deep), além de também sermos apresentados à congressista Victoria Neuman, mais uma força dentro do governo contra a Vought e sua investida agressiva de tornar-se o braço armado da nação norte-americana.

A partir daí, os cinco episódios restantes da temporada serão lançados semanalmente, toda sexta-feira, até o dia 09 de outubro, que será o season finale da temporada. Kripke e sua equipe de roteiristas, já tendo criado um universo coeso, focam o seu olhar para dentro desse universo, em especial para os seus personagens.

Vemos aqui todos os participantes dessa história ganharem mais e mais camadas. Billy Bruto é o personagem principal, ganhando mais desenvolvimento e, ao lado do Capitão Pátria, são muito bem utilizados como os personagens centrais da narrativa e detentores da mensagem principal da temporada. Leitinho é mais utilizado como um figura paterna do grupo. O Francês tem seus traumas bem explorados e a Fêmea é um belo personagem sempre em evolução. A relação de Hughie e Annie se aprofunda e cresce bastante.

O texto também evolui os supers, com Meave ganhando muito destaque e mostrando os vacilos e dificuldades do Trem-Bala e do Profundo. Black Noir continua… bem… sendo o Black Noir de sempre… hehe! Também temos uma maior participação de Stan Edgar.

O divertidíssimo de The Boys é que, mesmo com um foco maior nos personagens, a trama jamais foge de ser um espelho da sociedade de hoje. Você percebe bem temas como controle imigratório, uso de substâncias anabolizantes, eugenia, usos de notícias falsas na grande mídia e por aí vai.

Também temos um bem-vindo aumento de combates e de podreira, que sempre se mantém bem utilizado na trama, gerando sempre aqueles momentos “Put… Merd…” quando você tá assistindo, tudo isso graças aos excelentes efeitos visuais e um alto valor de produção e, detalhe, depois da série, você nunca mais vai ouvir “You are so beautiful” do Joe Coker do mesmo jeito, graças ao excelente trabalho de trilha sonora, com um bônus também para “Dream On” do Aerosmith.

++Leia Mais:
– Project Power | Ação sem medo de ser espetáculo!
– The Umbrella Academy | A Academia está de volta

Karl Urban e seu William “Billy” Bruto segue sendo aquele bastardo que amamos. Antony Starr consegue crescer mais ainda como Capitão Pátria, e fique sempre de olhos bem abertos na Tempesta, vivida por Aya Cash. O restante do elenco segue muito bem.

The Boys 2ª temporada, crítica sem spoilers.

O Capitão Pátria… ou seria o Bicho Papão?

A segunda temporada de The Boys é um grande acerto. A obra volta-se para dentro de si mesma e, ao fazer isso, consegue crescer ainda mais, expandindo seus personagens e também seu universo. Ela consegue se equiparar a sua temporada antecessora e em vários momentos a supera (que season finale foda!), trazendo assim um alto valor de diversão e também de reflexão porque, mesmo com superpoderes, ser humano ainda será nossa maior força.


Acompanhe nossas redes sociais:
Facebook | Instagram | YouTube | Twitter


 

Continue lendo

Séries | TV

War for Cybertron: O Cerco | Um reinício necessário para Transformers

Crítica de ‘War for Cybertron: O Cerco’, nova animação de Transformers, da Netflix.

Jean Sinclair

Publicado há

em

Transformers ganha um renovo em nova animação.

Transformers: War for Cybertron chegou. A mais nova série animada baseada na franquia de personagens criada nos anos 1980 surgiu graças à parceria entre a Hasbro, dona dos personagens e uma gigante mundial de brinquedos junto com a Netflix. Teremos uma trilogia de séries animadas e “O Cerco”, a primeira parte, já está disponível e nós do Multiversos já assistimos os seis episódios que compõem essa fase inicial.

Pode ficar tranquilo, que não haverão SPOILERS no texto.

Planeta Cybertron. O lar dos Transformers é palco dos momentos finais da luta entre os regentes locais, os Deceptcons, contra a agora debilitada resistência dos Autobots. Megatron, atual regente de Cybertron, segue em busca da prisão de seu opositor, Optimus Prime, para assim acabar com a guerra em definitivo, até a confirmação de uma antiga lenda mostrar-se a cartada decisiva que ambos lados precisam para acabar de vez com o conflito.

Optimus Prime em 'Transformers | War for Cybertron: O Cerco', da Netflix.

Os produtores e escritores F.J. DeSanto e George Krstic, juntos com o diretor Takashi Kamei, decidiram acertadamente mostrar o período da guerra entra os Autobots contra os Decepticons em seu planeta natal, assim evidenciando a renovação da franquia na mídia em geral. Contar esse momento se mostrou muito interessante por que ajuda a criar laços com os que estão chegando agora e, assim como foi no filme do Bumblebee, e também trazer de volta os fãs mais velhos e de longa data.

O tom utilizado nessa nova trilogia é mais centrado e mais focado na guerra e no drama. Desde o primeiro momento, toda a narrativa que move a trama traz um misto de dor, revolta, desespero e raiva, juntamente com retratos ambíguos de seus personagens principais, porque acertadamente o roteiro mostra que ambos os lados acreditam estar fazendo a coisa certa. Isso retira muito de um maniqueísmo e humor bobo que os Transformers possuíam em suas outras versões animadas, e até mesmo cinematográficas.

Megatron trouxe a revolta contra uma sociedade de Cybertron que ele achava errada, e não mede esforços para conseguir o seu objetivo. Optimus Prime, no entanto, entende que uma nova sociedade baseada no controle rígido e no medo é uma sociedade sem liberdade, e percebe que lutar contra isso se faz necessário, mesmo que haja momentos que o levem a duvidar. A partir desses fortes pontos de vista antagônicos, diversos personagens clássicos são construídos até chegarem nas suas versões mais conhecidas.

++Leia Mais:
– The Umbrella Academy | A Academia está de volta
POKAS | Thiago Ventura leva a “quebrada” para o mundo via Netflix

A série também se preocupa em construir todo o cenário de Cybertron, e mostrar que havia uma grande beleza antes da guerra, mas que essa estabilidade tinha um custo. Os personagens são muito bem construídos e seus dramas palpáveis e aqui, o clima de tensão e morte é palpável e, sim, há baixas de guerra e isso nunca é aliviado ou escondido e você acaba sentindo isso.

Nos quesitos técnicos, a animação conseguiu traduzir muito bem um mundo devastado pela guerra, criando ambientes sempre sujos e destruídos. É importante salientar como o bom uso de estruturas grandiosas, sejam usando verticalidade e horizontalidade, reforçam como a Cybertron pré-guerra era ambiciosa e orgulhosa. Todos os cenário e as latarias dos Transformers estão muito bem representadas, com uma excelente textura de desagaste e metal arranhando e tratado, nunca mostrando preguiçosas texturas de metal reluzente, que não combinariam com o clima de devastação da série.

Também é bastante gratificante ouvir os clássicos sons de transformação dos robôs. No campo dos atores, as atuações são muito boas. Porém, é inegável que não ouvir a clássica voz do Peter Cullen fez falta aqui. Pra completar, a trilha sonora de Alexander Bornstein trouxe sintetizadores e muita música eletrônica, reforçando o clima 80s na série.

Megatron em 'Transformers | War for Cybertron: O Cerco', da Netflix.

Transformers: War for Cybertron é um retorno ao básico dentro da franquia animada. Apostando num clima mais centrado e dramático, a obra acerta em dar peso ao momento inicial desses personagens e, assim, fugir das catastróficas versões dos cinemas, buscando agradar os fãs antigos e angariar novos fãs para a franquia… e vender mais bonequinhos legais no processo. (Manda uns pra nós, Dona Hasbro!)


Acompanhe nossas redes sociais:
Facebook | Instagram | YouTube | Twitter


Continue lendo

Séries | TV

The Umbrella Academy | A academia está de volta

Crítica da segunda temporada de The Umbrella Academy, da Netflix.

Rafa-el Lima

Publicado há

em

the-umbrella-academy-temporada-2

Eles estão de volta para salvar o mundo… De algo que, provavelmente, eles mesmos causarão.

A segunda temporada de The Umbrella Academy, série baseada nos quadrinhos de Gerard Way com arte do brasileiro Gabriel Bá, chega a Netflix na próxima sexta-feira, 31 de julho, e nós já conferimos e trazemos aqui pra vocês a nossa opinião sobre o show.

Sinopse Oficial
Cinco cansou de alertar a família sobre os riscos de usar seus poderes para escapar do apocalipse de Vanya em 2019. E ele tinha razão: o salto no tempo dispersou os irmãos em três anos diferentes na década de 1960 em Dallas, Texas. Alguns deles ficaram presos no passado por anos e seguiram suas vidas, certos de serem os únicos sobreviventes. Cinco foi o último a chegar, bem no meio de uma guerra nuclear (alerta de spoiler!) causada por essa ruptura na linha do tempo (déjà vu?). Agora, a Umbrella Academy precisa descobrir uma forma de se encontrar novamente, entender o que causou essa guerra apocalíptica, acabar com ela e voltar ao presente para impedir outro apocalipse, tudo isso enquanto são caçados por um trio de assassinos suecos cruéis (mas sem pressão, é claro!).

Procurando fugir do fim do mundo nossos protagonistas resolvem, no final da primeira temporada, ir para o passado. O problema é que, ao desembarcarem na década de 1960 nossos heróis acabam causando novamente o apocalipse.

Por mais que a proposta central do show se mantenha a mesma – impedir um evento cataclísmico – a segunda temporada de The Umbrella Academy não funciona exatamente como a primeira, por mais que pareça à primeira vista.

++Leia Mais:
– POKAS | Thiago Ventura leva a “quebrada” para o mundo via Netflix
– Os Novos Mutantes | Dos quadrinhos para a tela grande!

As semelhanças existem: a família está separada, cada um vivendo à sua maneira, e precisam se reunir para salvar o mundo mas, a partir daí, as similaridades vão diminuindo. Na nova temporada existe um arco de descoberta e reinício muito diferente e promissor para cada personagem.

O fato de os protagonistas terem saído do seu tempo natural e ido parar na década de 1960 permitiu um crescimento particular para cada um. O momento histórico utilizado permite que temas como racismo, liberdades individuais, direitos das mulheres e outros, sejam muito bem abordados no roteiro, tendo os protagonistas como vítimas das mazelas sociais da época.

Os melhores arcos da temporada ficam à cargo de Allison (Emmy Raver-Lampman) e Vanya (Ellen Page); é notória a entrega das atrizes e o amadurecimento de suas personagens. Klaus (Robert Sheehan) segue sendo o melhor e mais divertido personagem da série, e Cinco (Aidan Gallagher) o fio condutor da trama. Luther (Tom Hopper) muda seu status quo de líder-bobo-apaixonado para apenas bobo-apaixonado e Diego (David Castañeda) e seu “complexo de Batman” segue sendo o personagem mais chato do grupo. Ben, o fantasma, é responsável por boas risadas e alguns dos momentos mais tocantes do show. (Saudade de um abraço, né, minha filha?)

Klaus, Allison e Vanya entre um apocalipse e outro em The Umbrella Academy.

Apesar de haver um ótimo cuidado com o roteiro e desenvolvimento dos personagens, é notório que houve também uma preocupação em impor certos limites aos poderes de alguns dos personagens pois, como sabemos, se usados de forma correta, alguns destes poderiam fazer a série ter apenas 1 episódio de 10 minutos, no máximo.

O corpo de antagonistas segue com a mesma proposta já apresentada antes: ser, ao mesmo tempo, surpreendente e um alívio cômico. Pelo menos em parte dele.

A qualidade narrativa da série é constante durante toda a temporada. Nenhum episódio soa como um completo desperdício mas, em alguns momentos, é possível sentir que haveriam decisões melhores e que fariam o desenrolar da trama ser menos truncado, principalmente quando falamos de Cinco (Five). Mas, nada que comprometa o todo.

++Leia Mais:
– The Old Guard | Charlize Theron em ação é pura diversão!
– House of the Dragon | Série prequel de Game of Thrones começa a busca por elenco

O show conta com um ótimo trabalho de figurino nessa nova temporada, responsável por refletir muito bem a década de 1960 na tela. Todo o trabalho de direção, produção e pós-produção, com seus efeitos visuais e edição, são caprichosos e dão a certos momentos da série o dinamismo necessário.

 

Se há algo a criticar na série é a criação de uma expectativa e o seu não cumprimento na medida certa. A série tem um início de temporada com uma apresentação fantástica, digna de cinema blockbuster; um CGI bem trabalhado, uma cena de equipe de heróis em ação que lembra os X-men em seus primeiros filmes. Infelizmente não há algo tão bem trabalhado no restante da temporada. Por mais que tenhamos excelentes momentos de interação em equipe, nenhum soou tão bom e coordenado quanto a cena inicial.

A segunda temporada de The Umbrella Academy mantém os acertos da primeira temporada do show, aposta no diálogo com pautas sociais e fecha alguns arcos para dar mais liberdade ao futuro da série. Infelizmente perde a chance de ter um desfecho mais grandioso, mas mantém a qualidade e nos deixa com o desejo de uma nova temporada pra ontem.


Acompanhe nossas redes sociais:
Facebook | Instagram | YouTube | Twitter


Continue lendo

Mais Lidas